Vida é movimento

Vida é experiência. Movimento. E o apego causa sofrimento.

Hoje, 15 de julho, sentada no sofá de pallets que tenho comigo há impressionantes 6 anos, reflito. O que eu quero pra minha vida?

Essa é uma pergunta que devemos nos fazer todos os dias. Porque a vida, mesmo que pareça longa e contínua, acontece diariamente. E o que queremos muda, e vai mudando, conforme vamos vivendo.

Porque viver é experienciar, a cada segundo, o que se manifesta. Não é passado, e não é futuro. É um presento vivo e cheio de força que nos arrebata com todos os desafios e alegrias de ser humana nesse corpo físico.

Se apegar aos movimentos é como querer se apegar a uma correnteza rápida e fluida, que não tem como ser controlada. Se apegar ao que foi é querer agarrar com ambas as mãos o vento e depois entristecer-se porque não conseguiu realizar tal feito.

Então me pergunto: o que eu quero da minha vida?

Quero fluir com a correnteza, não quero tentar agarrá-la pois ela é preciosa demais para isso.

Nossas vidas são como fluxos, seguindo, o tempo todo. E criamos artifícios bobos para nos prender ao que achamos ser verdade. Mas bem, qual verdade?

Viver a base do medo, da escassez, da loucura mental do acúmulo de lixos abstratos e materiais não é a minha verdade. Não condiz com o o que eu quero pra minha vida e com a história que desejo criar pra mim.

Então me pergunto: o que eu quero pra minha vida?

Sei o que não quero. Isso, por hora, já basta.

E sigo refletindo. Pois vida é movimento, e é nesse fluxo que eu hei de me encontrar.

Com amor, Tália.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s